Minerva Dogder não é nenhuma beldade, mas ser filha de um homem muito rico lhe proporcionou um dote bastante grande. Por conta disso, ao longo dos anos, muitos homens a cortejaram apenas por interesse no seu dinheiro. Como queria se casar por amor, e nenhum de seus pretendentes estava interessado nisso, Miranda decide que ficará solteira. Entretanto, ela tem muita curiosidade na famosa noite de núpcias e decide que ao menos isso ela quer experimentar. Por isso, Miranda vai ao Clube Nightingale, lugar onde as mulheres podem buscar um amante sem revelar a sua identidade.

Usando uma máscara e o codinome Lady V, em sua primeira noite no clube Miranda chama a atenção do Duque de Ashebury, um dos mais cobiçados cavalheiros da sociedade e também um mulherengo. Apesar de declarar que nunca fica com a mesma mulher duas vezes, após conhecer Lady V, Ash não consegue tirá-la da cabeça e tenta, a todo custo, desvendar a sua identidade. O Duque começa a suspeitar de Minerva e, por isso, se aproxima dela. Sem ter a certeza da identidade, ele fica dividido entre as duas mulheres que tanto o impressionam sem saber que ambas são a mesma pessoa.

CODINOME LADY V

Lorraine Heath

“Codinome Lady V” é o primeiro livro da trilogia “Os sedutores de Havisham”, seguido de “A filha do conde” e “A marquesa de Havisham”, todos já publicados no Brasil pela Editora Gutenberg.

Esse é o livro preferido da uma amiga minha e ela praticamente me obrigou a ler. Felizmente, ela estava corretíssima, porque é uma história incrível e a Lorraine é uma autora perfeita, sem defeitos. Minerva era uma personagem muito inteligente e pé no chão, que não queria se contentar com pouco (errada não está). Já Ash, apesar da fama, era um ser adorável e sensível, a melhor escolha para Minerva.

Adorei conhecer um pouco desse casal e a dinâmica entre eles. Ficava torcendo para o Ash descobrir logo que a Lady V e a Minerva eram a mesma pessoa. Meu coração terminou cheio de amor! Virei fã da autora e da sua escrita.

Deixe uma resposta