Depois que o noivo de Fionna Denning some em combate durante a 2ª Guerra Mundial, a jovem decide que não quer ficar parada em casa esperando notícias. Por isso, ela e suas melhores amigas, Dottie e Viv, se inscrevem como voluntárias na Cruz Vermelha Clubmobile, um programa que envia mulheres para a Guerra para trazerem um senso de normalidade aos soldados Aliados. Através de donuts e cafés, conversas, música e danças, elas ajudam a moral e no psicológico desses soldados, afastando a mente deles, nem que seja momentaneamente, dos horrores da Guerra. Mas essa jornada, cheia de desafios e imprevistos, amizades, amores e perdas, acaba se tornando algo muito maior do que elas esperavam, mudando-as para sempre

AS GAROTAS DE BEANTOWN

Jane Healey

Esse livro mexeu muito comigo! Assim como as protagonistas, eu não sou mais a mesma pessoa que era quando essa aventura começou. Chorei, sorri, fiquei angustiada, chocada, indignada… Foi uma experiência sem igual, ainda mais por abordar um ponto de vista normalmente não explorado em outros livros sobre a Segunda Guerra, o dos soldados Aliados e das garotas da Cruz Vermelha. Esse livro se tornou, definitivamente, um dos melhores livros que eu já li.⁣

Fiona, Viv e Dottie não tinham nenhuma obrigação de ir para a Guerra, mas mesmo assim resolveram ir e ajudar o máximo que podiam, tentando trazer um pouco de casa para os soldados. Apesar de não estarem lutando, viveram muitos dos horrores da guerra, perdendo pessoas queridas, sofrendo ataques, vivendo em constante medo. Uma experiência dessa definitivamente muda as perspectivas e prioridades de uma pessoa.⁣

O detalhe mais interessante é que muitas das histórias que aconteceram no livro foram baseadas em histórias que realmente aconteceram com algumas garotas da Cruz Vermelha, que relataram tudo depois da Guerra. Abaixo, algumas fotos para ilustrar como funcionava o trabalho das garotas dos donuts.

Com certeza é um livro que todos vocês precisam conhecer e ler, então eu super recomendo!⁣

4 thoughts on “Resenha | As garotas de Beantown, de Jane Healey

Deixe uma resposta