Autores com certeza já se depararam com os termos “leitor beta” e “análise crítica (ou “leitor crítico)”, mas suas diferenças podem não ser tão claras assim.

Na matéria de hoje vamos descobrir qual o papel de um leitor beta e de um leitor crítico. Chega mais!

Leitor Beta

Você já deve ter ouvido sobre a versão beta dos jogos eletrônicos, certo? Jogadores são convidados a testar o jogo e reportar seu feedback, bugs e por aí vai. Então, a leitura beta segue o mesmo princípio.

O leitor beta é uma pessoa que vai ler o livro de um autor em primeira mão. Ou seja, ele vai ler a obra no formato de manuscrito, sem ter sido publicada ainda. Dessa forma, ele poderá comentar o que gostou, o que não gostou e até mesmo dar algumas sugestões para o autor, de acordo com seu gosto pessoal. Ele pode ir lendo conforme o autor avança ou ao final da obra.

O mais importante é que o leitor beta seja 100% sincero em suas opiniões, possibilitando o autor a melhorar sua obra antes de ela ir ao público. Vale lembrar que a leitura beta é gratuita!

Os escritores normalmente convidam seus parceiros, amigos ou familiares para serem seus leitores betas. Não é a venda de um serviço. Porém, tome cuidado na hora de escolher seus leitores beta. Escolham pessoas de confiança e protejam seu arquivo, como colocando marca d’água ou fazendo o registro da obra (seja na Biblioteca Nacional ou em sites de registro como o Avctoris).

Além disso, eles precisam ser pessoas que gostem de leitura e, de preferência, que consumam livros do mesmo gênero para poder opinar com mais propriedade.

Análise Crítica

Diferente da leitura beta, a análise crítica é um serviço pago e não é uma questão de gosto pessoal e, sim, de uma visão do mercado de alguém com experiência e referência.

Autores contrataram agências literárias ou pessoas que trabalhem com o mercado literário para fazer uma análise crítica de sua obra. Isso é, o leitor crítico vai ler seu livro em formato de manuscrito e apontar os pontos fortes e os fracos, atratividade e originalidade, identificar furos na história, o que funciona ou não funciona, para qual público-alvo o livro se direciona, possível percepção do público leitor e por aí vai.

Ou seja, o leitor crítico vai analisar minuciosamente e destrinchar seu texto e oferecer uma visão crítica sobre o que deve ser feito para deixar a obra o mais vendável possível para uma editora tradicional. É importante dizer que, para solicitar um orçamento, precisa-se ter a obra finalizada, pois normalmente cobra-se por número de palavras ou laudas.

A Increasy e a Página 7 são dois bons exemplos de agência que oferecem o serviço de análise crítica, entre outros.

Contem para mim, as diferenças ficaram claras agora? 😊

Deixe uma resposta