Vocês também ficam incomodados quando estão lendo algo e encontram algum erro de português? Em certos casos, consideramos o erro compreensível. Em outros, nem tanto.

Na matéria de hoje, quero trazer algumas dicas e curiosidades para vocês referente a esses erros mais comuns. Vem comigo!

“Mas” e “Mais”

Por conta da grafia e o jeito de falar serem semelhantes, esse se torna um dos erros mais comuns.
O “mas” é uma conjunção adversativa e pode ser substituído pelos termos “porém”, “contudo” e “todavia”. Já o “mais” é advérbio de intensidade, transmitindo a sensação de quantidade ou excesso.

Exemplos de “Mas” e “Mais”:
Eu queria sair, mas minha mãe não deixou
Você pode colocar um pouco mais de água para mim?

“Mal” e “Mau”

Assim como acontece com o “mas” e “mais”, o “mal” e “mau” são muito parecidos na forma escrita e oral. Porém, a diferença é bem simples.
“Mal” pode ser um advérbio ou substantivo, enquanto que “mau” é um adjetivo.

Exemplos de “Mal” e “Mau”:
Dormimos muito mal esta noite.
Aquele vilão do filme é muito mau.
Quem é mal-humorado está sempre de mau humor.
“Bem” e “Bom”
Depois de ter visto o significado de “mal” e “mau”, entender o “bem” e o “bom” vai ser moleza.
Você só precisa lembrar que “mal” é o contrário de “bem” e “mau” é o contrário de “bom”.

Exemplos de “Bem” e “Bom:
Você acha que se saiu bem na prova?
Esse livro é bom?
“Eu”, “Me” e “Mim”
Em primeiro lugar, você precisa identificar qual é a função do elemento dentro da oração. Se for sujeito, então use “eu”. Se houver preposição, use o “me”. Se não houver preposição, use o “mim”.

Exemplos de “Bem” e “Bom:
Quer que eu busque as crianças hoje? (O “eu” é o sujeito, atrelado ao verbo “buscar”).
Preciso que você me reencaminhe aquele e-mail. (Neste caso, o “me” é objeto indireto do verbo “reencaminhar” e não há uso de preposição).
Preciso de um tempo para cuidar de mim. (Aqui, o “mim” é objeto indireto do verbo “cuidar”, acompanhado da preposição “de”).
“Por que”, “Porque”, “Por quê” e “Porquê”

Por que (separado) é usado para perguntas.
Porque (junto) é usado para respostas.
Por quê (separado e com acento) é usado para perguntas no final de frases.
Porquê (junto e com acento) é substantivo, referente ao/a motivo/razão.

Exemplos de “Por que”, “Porque”, “Por quê” e “Porquê”:
Por que você não ligou?
Fui ao mercado porque acabaram os ovos.
Estudei muito ontem. Sabe por quê?
Não consigo entender o porquê de ele ter ido embora.

“Há e “A”

O “há” vem do verbo haver, enquanto o “a” é responsável por marcar distância, seja física ou temporal.

Exemplos de “Há” e “A”:
Meus avós faleceram há muito tempo.
A farmácia mais próxima fica a 5 minutos daqui.

“Haver” e “A ver”

“Haver” é um verbo e “a ver” indica a afinidade (ou falta dela) entre duas coisas.

Exemplos de “Haver” e “A ver”:
Pode haver problemas no novo sistema.
Eles são gêmeos, mas suas personalidades não têm nada a ver.

Haja” e “Aja”

“Haja” também é do verbo “haver”, enquanto que “aja” vem do verbo “agir”.

Exemplos de “Haja” e “Aja”:
Haja paciência, viu?
Espero que ele aja de acordo com a justiça.

“A gente” e “Agente”

Essa é simples! “A gente” é referente a “nós” e “agente” é a profissão.

Exemplos de “A gente” e “Agente”:
Por que você não vem com a gente ao shopping?
Quando eu crescer, quero ser um agente secreto.

“Se não” e “Senão”

O “se não” separado são duas palavras, sendo o “se” uma conjunção condicional, pronome ou partícula apassivante, e o “não” um advérbio de negação. Pode ser substituído por “caso não” e “quando não”. O “senão” pode ser um substantivo ou elemento de ligação e substituído por “a não ser” ou “exceto”.

Exemplos de “Se não” e “Senão”:
Se não chover, podemos fazer um piquenique. (Neste caso, podemos trocar o “se não chover” por “caso não chova”).
Ninguém, senão os convidados, podia entrar na festa. (Aqui, podemos substituir o “senão” por “a não ser” ou “exceto”).

“Seção”, “Sessão” e “Cessão”

“Seção” com “ç” se refere a algo com divisão, enquanto que “sessão” com “ss” faz referência a um evento de tempo determinado. Já “cessão” vem do verbo ceder, o ato de dar ou entregar.

Exemplos de “Seção”, “Sessão” e “Cessão”:
As roupas infantis ficam naquela seção.
Será que tem alguma sessão interessante no cinema?
O organizador do evento agradeceu a cessão do espaço onde a festa foi realizada.

“Viagem” e “Viajem”

“Viajem” com “j” é verbo e “viagem” com “g” é substantivo.

Exemplos de “Viagem” e “Viajem”:
Essa viagem vai ser incrível!
Espero que eles viajem com segurança.

Bom, esses são alguns dos erros mais comuns no português, mas claro que existem muitos outros por aí. Por isso, separei algumas dicas para que você possa evitá-los nos seus próximos textos ou livros

Clique para ampliar

Deixe uma resposta