Tainara cresceu em meio ao povo da aldeia Karajá, criada pela tia. Abandonada pela mãe, ainda bebê, sempre teve o sonho de um dia reencontrá-la. Hoje, uma mulher adulta e empoderada, luta pela liberdade das mulheres, que cada vez mais têm sido vítimas de sequestro e assassinato, na região do Mato Grosso, onde mora. Em meio a tantas batalhas, Tainara, reencontra Rudá, seu amigo de infância, e juntos vão descobrir o amor e combater o mal que os acerca.

Grito das Estrelas

Priscila Debly

Acompanhar o crescimento de nosso protagonista, Tainara, foi mergulhar em um mundo mágico e trágico ao mesmo tempo. As tradições xamânicas, foi retratada de maneira sublime e maravilhosa, me deixando encantada e curiosa para conhecer mais sobre. 

A trajetória do livro aborda tantos assuntos importantes, e que não são geralmente abordados, mas devem discutidos. O feminicídio, que tem cada vez mais ganhando força nos noticiários, e nem sempre todos são descobertos. O tráfico de mulheres e crianças, que muitas vezes nem é abordado, e acontece diariamente em todo o mundo. Mais uma vez, vemos os lados da esquizofrenia, uma doença tão grave, que deve ser combatida e tratada a cada segundo, por quem porta, e seus entes queridos. Os temas abordados na trama são: relações abusivas e homossexualismo, mostrados rapidamente, mas não menos importantes.

Podemos rever personagens tão queridos, do livro, Espelho, Espelho Meu. Qual Crush Escolho Eu?, que particularmente, só intensificaram meu amor por eles.

Uma das personagens, de quem virei fã, foi Tia Araci. Uma mulher forte e incrível, que defendeu seus ideais de maneira louvável.

Tainara e Rudá, também ganharam um pedaço do meu coração, ao demonstrarem como a amizade, pode se tornar amor, em sua forma mais pura. 

A autora, tem uma forma de descrever os cenários, que só quem gosta de ler, sabe o que é poder se sentir no local de cada cena. 

Os capítulos são intercalados entre Tainara adolescente e adulta, assim como Rudá. No início de cada um, podemos ver citações de livros, séries e filmes, que todos são fãs, com certeza. 

Uma das coisas que mais me encantaram foram as ilustrações, que particularmente sempre gosto de encontrar em livros.

“Sonhos são feitos para divagarmos entre eles e quem sabe um dia os realizarmos, só não podemos perder as esperanças.”

5 thoughts on “Resenha | Grito das Estrelas, de Priscila Debly

  1. Carla Guedes
    Carla Guedes says:

    Muito legal um livro que aborda a temática indígena, não costuma acontecer muito. Além disso, tratar de outros temas importantes tb é essencial.

Deixe uma resposta